Articles

Entrevista com Edson Silva

By  | 

Edson Aparecido Gonçalves da Silva, ou Edson”Caveira” Silva é técnico profissional de Sanda e MMA, ex atleta da Seleção Brasileira e campeão brasileiro, sul americano e pan americano da modalidade, ele também disputou o evento profissional ”King of Sanda” onde conseguiu a 3º colocação, lutando contra os melhores atletas do mundo na época. 

Edson é faixa preta 4 Grau de Sanda (CBKW) e faixa preta de Muaythai,  também é faixa marrom de Jiu Jitsu. Com a sua experiencia e competência, hoje ele treina lutadores profissionais na China, como o talentoso chines Miao Li Tao, que luta no ONE Championship.  

  1. Quando você começou a praticar Sanda, e por que? 

ES:  Eu comecei a praticar Artes Marciais Chinesas (Kung Fu) aos 8 anos de idade em Leme-sp em um projeto social , seguindo meu irmão mais velho (João Ferreira Silva Jr, que já praticava a 2 semanas , hoje ele é o técnico da seleção brasileira de Taolu).

Como era fissurado nos filmes de luta da época, ficava brincando de lutas nas ruas e com os irmãos, tinha muita vontade de aprender e fui.

Treinei por 2 anos, parei e depois voltei aos 13 anos para dar continuidade, foi onde comecei a participar das primeiras competições de luta, na época era semi contato , pois não existia Sanda para crianças e as regras não era bem definidas no Brasil.

Com a Seleção Brasileira de Sanda

Aos 17, 18 anos anos comecei a participar de competições oficiais e ter mais contato com o Wushu-Sanda, não existia treinamentos específicos, era muito escasso o conhecimento sobre wushu-sanda na época entre os professores, a maioria “tradicionais “. Simplesmente se estudava a regra colocava o equipamento e lutava ( isso cerca de mais de 20 anos atrás).

2. Então você praticava kung fu tradicional também ?

ES: Eu praticava os estilos tradicionais também, cheguei a competir em taolu, em alguns campeonatos. Mas depois de adulto fui me destacando em combate (wushu sanda) e fui me especializando. Como não tinha muitos recursos específicos de treinamentos sobre wushu-sanda na época, eu pegava partes das formas de Taolu, as partes que eu achava mais funcionais e aplicáveis para combate e as treinava separado com algum colega na sala de treino, assim fui começando a montar um método para treinar, a dificuldade e a falta de recursos técnicos na época foi me fazendo pensar para sobreviver e ir bem nas lutas.

Com Song Kenan Atleta do UFC

3. Quais estilos tradicionais você praticava, quem foram seus professores e mestres ?

ES: Eu iniciei praticando um estilo que as pessoas hoje chamam ” de não tradicional” porque foi desenvolvido no Brasil, mas as formas e as técnicas eram da escola Ching Wu que divulgou o Kung fu pelo mundo (hoje eu sei ,depois de viajar para China) eram formas básicas do norte como águia e shaolin, do sul como tigre, e os básicos de chutes e socos. Nada muito definido. Era o que eu tinha na época no interior de São Paulo.

Meus mentores foram “Edson Guitzlaf “, depois meu Irmão João onde treinei um pouco wushu e Xing yi.

Isso foi até eu ganhar os primeiros campeonatos brasileiros pela CBKW, fazer lutas duras como contra Eduardo Fujihira ganhar destaque nacional e disputar o meu primeiro mundial em 97 que foi um divisor de águas pra mim.

Mais tarde (em 2002) tive contato com meus principais treinadores de Sanda como Nereu Graballos e Nelson Pompei, mas tem uma lacuna grande até chegar neles.  

4. Eduardo Fujihira é uma das ”lendas” do esporte no brasil, como era lutar com ele ?

Depois que parei de treinar estilos tradicionais, comecei a me dedicar somente as competições de combate e disputei meu primeiro Paulista (tinha 18 anos), eu não conhecia o Fuji, (apesar dele ser campeão mundial de Kuoshu -em Taipei , e campeão mundial de kickboxing nos USA recentemente), eu não fazia parte do circuito de competições oficiais, para mim, sabia que era um bom lutador, foi oque me disseram, só fui conhece-lo antes de entrar no Lei tai.

Lutei uma vez somente com Fuji, não pensei se ele era bom ou ruim , eu lutei sério e procurei fazer o melhor, me lembro que ele me deu uma queda no início do combate, e falei não posso tomar mais queda… e a luta foi desenrolando em pé (muito dura) até terminar por pontos.

Mesmo perdendo, não me senti derrotado, foi uma boa experiência pra mim, eu era novo. Depois disso o Mestre Nereu Graballos me encontrou no banheiro me elogiou, e me convocou para lutar o Brasileiro. E após isso somente encontrava o Fuji nos treinos da seleção brasileira , aí não se comenta treino.

5. Quais campeonatos você já disputou, qual considera o mais importante ?

Os principais do Brasil. Brasileiro, Sul americano, Pan Americano e Mundiais.

Sou algumas vezes: Campeão Brasileiro, Sulamericano e Pan Americano, em 4 categorias diferentes de peso 80, 85, 90, 90+.


Disputei 4 Mundiais : Italia -1997 , China 2007 , Canadá ( 2009) , Turquia ( 2011) .

Liga Profissional Mundial Sanda-King (China – 2009) onde fiquei em 3° absoluto Mundial Profissional.

Os mais importantes pra mim ?

Penso que foi o primeiro Mundial (Itália) tinha 18 para 19 anos, foi um divisor de águas, naquela época não existia internet ou vídeos, nós não tínhamos ideia do que era um campeonato mundial.

Me lembro que participaram na Itália mais de 100 países, enquanto no Brasil uma chave de um campeonato brasileiro tinha no máximo 20 atletas, lá tinha mais 50 em uma única chave ( isso assusta um pouco).

Eu acabei perdendo na primeira Luta, lutei contra o “Cung Le “, na época ele já tinha 27 anos, era famoso nos EUA, medalhista de Bronze na edição anterior e um dos favoritos para ser Campeão.

Lógico que fiquei sabendo depois desses detalhes (risos).

Mas pra mim esse campeonato me ensinou muito, sobre o que treinar, como treinar e como era o Esporte (wushu sanda), coisa que eu não sabia, me adiantou uns 10 anos em treinamentos de luta, vendo Chineses, Russos, Iranianos, pessoas do mundo inteiro lutando… muito aprendizado!
Outro evento importante foi na Liga Profissional, onde fiz 5 lutas profissionais em uma semana, de 5 rounds cada, onde enfrentei três chineses ,um de Taipei , e um Iraniano, todos ranqueados mundialmente. Acredito que a vitória em cima do Huang Lei (Campeão Sanda King, Campeão Chinês , Campeão Mundial, Campeão da Copa do Mundo , hall da fama dos esporte na China) foi a mais importante, me lembro que foi a único lutador que achei vídeos na internet e pude estuda-lo …quando fui lutar contra ele, praticamente já o conhecia.

Com Huang Lei

Existe lutas nas quais aprendi muito , confrontos contra o Emerson Almeida aqui no Brasil, lutar contra Iranianos campeões mundiais, e outros campeões mundiais, me fizeram crescer muito no esporte, como atleta e depois como treinador.

6. Cung Le é uma referencia mundial no Sanda e MMA, sendo campeão do Strikeforce, como foi lutar contra um dos maires nomes do Sanda mundialmente ?

Cung Le

ES: A luta contra o Cung Le, como disse eu não sabia direito quem ele era, eu era muito novo 18, 19 anos, e ele já era consagrado nos EUA como atleta profissional, e uns dos favoritos ao título mundial de Sanda em 1997.

Como tinha lutado com o Eduardo Fuji, anteriormente, alguém de nível mundial, achei que até poderia ter alguma chance nessa luta contra o Cung Le, ou no Mundial (muita ignorância minha), eu não sabia lutar wushu sanda na época (o treino no Brasil era muito arcaico, restrito a poucos) eu era um sobrevivente, fazia muitas coisas no instinto de lutador e isso me salvou várias vezes (risos).

Na luta contra o Cung Le , eu me lembro que na época eu tinha um jab forte , um chute baixo na perna por dentro da coxa forte e a queda de uma perna (single leg). O Cung Le tinha um repertório completo, tinha boxe, chutava bem e fora o wrestling, tudo superior a mim. Eu apenas era mais alto e tinha um olho muito bom .

1° round
A luta começou ele me deu um chute circular no tronco eu defendi e ao mesmo tempo ele me deu um direto e eu caí , tava tão elétrico que caía mas já levantava, depois tomei uma queda quadril, e em seguida um chute lateral e me jogou para fora do leitai, eu tentava os chutes nas pernas mas ele se esquivava e me contra golpeava.


2° round
Eu consegui encaixar uns jabs e diretos, uns ganchos na distância, mas foi só. Ele me deu chute na cabeça, eu caí, mas me levantei e a luta continuou e ele levou a luta nos pontos, mas uma diferença técnica imensa … é o que lembro, eu suportei em pé, fiz o que pude.

Depois desse mundial aprendi muito, mudei totalmente a maneira como treinava. Sou muito grato a isso!

Hoje no Brasil, no Sanda, atletas já fizeram feitos maiores que ele mundialmente, enfrentaram lutadores melhores, a única medalha olímpica das Américas é brasileira, entre outros feitos, mas mesmo assim ele foi é uma referência forte no Sanda nas Américas e no mundo.

7. Então você começou a pratica Sanda com o Mestre Nereu Graballos em 2002, todos dizem que ele possuía uma visão genial e ampla de combate. Como era treinar com ele ?

Sim, ele tinha era uma Enciclopédia da luta em pé, defesa pessoal , etc, sabia muito, tinha muito conhecimento.

Antes de chegar no Mestre Nereu Graballos , eu era tipo um Rounin ( Samurai sem mestre) eu procurava elementos de outras lutas , como judô, wrestling, shuai jiao, jiu-jítsu brasileiro, boxing, kickboxing trocava informações, e conhecimentos, fazendo Sparrings, com amigos de outras modalidades de luta. Sempre buscando conhecimento para melhorar minhas técnicas e meus treinamentos.

Depois que conheci o Mestre Nereu e comecei a treinar, existia uma fonte rica de conhecimento para aprender e desenvolver.
Ele era um líder nato, mesmo as vezes ele sendo chato as pessoas queriam ficar perto dele, os treinos início de 2001 / 2002 acredito foi o primeiro formato de seleção brasileira de wushu sanda em treinamentos (antes cada um fazia o treino e era convocado), não tínhamos lugar fixo ainda , fazia treinos em Limeira , em Campinas nas academias de alunos do Mestre Nereu. Era André de Assis, Eduardo Fujihira, Emerson Almeida, Eu, Roberto Neves, Antônio Silva e uma galera pra ajudar nos Sparrings.

Em 2003 eu tive uma lesão muito séria na coluna cervical, eu estava para disputar o meu primeiro campeonato mundial em Macau, tive que que fazer uma cirurgia no Hospital das Clínicas de São Paulo, tive a ajuda de uns amigos de meu irmão, de Thomaz Chan na ida até o hospital e fazer os exames, essa cirurgia era muito delicada e uma das primeiras feitas no Brasil em um atleta de luta . Só que eu queria voltar a lutar.

Demorei 4 anos para voltar , foi nessa fase que tive muito contato com Professor Nereu, muitas conversas e psicologia. Fazia fisioterapia 3 x por semana, durante anos, acordava as 4 da manhã pegava o transporte público ia pra São Paulo e voltava de tarde.

Quando estava reabilitado, não tinha confiança, conversei com Professor Nereu, foi quando pedi ajuda pra voltar a lutar, tinha 29 anos.
Eu morava e dava aulas em Rio Claro-sp na época, e como o Professor Nelson Pompei dava aulas em Limeira e o Emerson treinava em Limeira também, perguntei se poderia treinar junto, autorizaram e me ajudaram a voltar.

O Professor Nereu me passava os treinos, eu seguia durante a semana, e aos sábados Eu e Emerson, treinávamos com a supervisão do Professor Nelson corrigindo cada detalhe.

Eu costumo falar, e sou muito agradecido por isso, quem me trouxe para o esporte novamente foram 2 pessoas “Professor Nelson Pompei e o Emerson Almeida”, como fomos rivais em competições no passado ele poderia muito bem me machucar nos treinos e me aposentar de vez.

Mas, ele e o Professor Nelson fizeram o contrário! eles eram quem mais me conheciam e sabiam onde eu poderia chegar novamente, na época o Emerson era o melhor atleta do Brasil e quando eu parei era do mesmo nível que ele, então tinha um termômetro, quando eu começasse a igualar ele nos treinos eu estaria chegando no que era antes.

Eles tiveram muita paciência comigo, foi como no filme do “ROCKY 3” onde o Apolo ajuda o Rocky a voltar a lutar, pra depois ter sua revanche.
E teve várias e várias revanches no treinos , rs … me bateu muito!

Foi depois disso em 2007 que comecei minha carreira internacional , Sulamericanos , Pan americanos e Mundiais.
Tudo com a supervisão dos professores Nereu e Nelson Pompei.

8. Como foram as lutas no Sanda King, como você avalia a sua participação ?

O evento foi umas das edições mais disputadas já feitas. Conseguiram reunir dois Reis do Sanda Muslim Salikov (campeão absoluto em 2006) e Huang Lei (campeão absoluto em 2007).

Além de reunir os principais atletas rankeados do Mundo acima de 85 kg, chineses e estrangeiros. Quando Chegamos no evento em (Chonking-china) após viajar cerca de 40 horas , descobrimos que eles mudaram todo o formato das edições anteriores, o que antes era feito categorias e o campeão de cada categoria iria para o absoluto, eles mudaram tudo e ficamos sabendo na hora.

Dividiram em 2 times com 2 capitães Huang Lei (time vermelho) e Muslim Salikov (time preto), sorteando ao vivo na tv, os atletas que iriam compor cada time, estrangeiros e chineses.


Tendo somente a divisão de times um total de 12 lutadores ( 6 estrangeiros 6 Chineses) em uma chave vermelho vs preto em uma categoria absoluto, com direito a 1 repescagem caso perdesse na fase de eliminatórias. O sorteio para as lutas era todos os dias ao vivo na TV, então até o sorteio nós não sabíamos quem iríamos enfrentar.

Na primeira luta eu peguei logo de cara um dos principais Chineses “Yang yuanfei “. Esse chinês havia perdido para o Emerson Almeida no ano anterior , e os repórteres disseram que ele teve muita vergonha e treinou muito para revanche e por ironia do destino caiu comigo, Brasil, na primeira luta .

Fizemos 5 rounds duríssimos, cortei o meu supercílio no 2° round, tive um corte na cabeça por uma cabeçada (não internacional) mas a luta terminou por pontos, os 2 machucados, eu senti um pouco o fuso horário, a experiência de lutar 5 rounds pela primeira vez. Bom ele ganhou nos pontos 3 a 2 nos rounds e eu fui para repescagem.

Me lembro de sair da luta com as canelas e coxas toda machucada o Yang yuanfei tinha um chute muito forte. Fui para o hospital tomei pontos, injeção e voltei para o Hotel ,porque tinha luta nos outros dias na repescagem. Minha 2° luta peguei um atleta de Taipei , ganhei rápido no final do 2° segundo round por KO com um gancho no fígado.

Estava na disputa pela final novamente e fui fazendo meu caminho por fora. Na 3° luta cai no sorteio ao vivo eu e o Huang Lei, só que logo em seguida enfrentaria Hussein Ogaji, que viria descansado porque seu adversário tinha quebrado o braço na luta anterior.

Me lembro que acordei inspirado nesse dia, era uma sexta feira 13, tinha conversado com Mestre Nereu antes da luta e ele deu uma blindada na minha mente. Tava com muita vontade de vencer, ” falei hoje vou ganhar de um cara bom”.

Entrei na luta contra o Huang Lei, já o conhecia, sabia o que tinha que fazer, e fiz, Ele é um lutador muito técnico e perigoso, por vários momentos vi seus chutes quase acertarem meu queixo. Foi uma luta dura mas consegui nocautea-lo no final do 3° round com os meus chutes baixos nas pernas, ninguém acreditava!


Logo em seguida tive cerca 10, 15 minutos de descanso com comerciais e uma luta feminina de intervalo. Fui para 4° luta, já estava um pouco exausto, mas bem consciente vendo o Hussein na minha frente um atleta várias vezes Campeão mundial, muito perigoso com seus chutes.

1° round eu administrei para recuperar, ele fez uma estratégia de manter a distância com seus chutes e quando eu aproximava para usar meu boxe ele usava o seu wrestling que era melhor que o meu (eu caí algumas vezes). Aos poucos fui encaixando meu jogo e comecei a bater no corpo dele com ganchos, isso impedia dele me derrubar, ele foi sentindo os golpes.

No 3° round acredito que foi mais pra mim, consegui encurralar ele nos cantos usando meus chutes baixos e ganchos no corpo.
Ele acabou levando a luta por pontos mas quebrou a costela com meus ganchos e não pode continuar no evento e eu fui classificado para as finais no outro dia.

Saí do evento e no hotel teve o sorteio novamente ao vivo para a TV chinesa, as finais do absoluto 2 estrangeiros: Eu e Muslim, 2 chineses: Yu jin e Xu jiaheng. No sorteio caiu Eu e o Yu jin primeira luta, e o Muslim Salikov e Xu jiaheng na segunda.

Eu estava muito machucado devido a maratona de lutas e o Yu jin era o atleta que estava mais inteiro fisicamente no evento, eu acredito, que se eu acreditasse mais, ou tivesse em melhores condições físicas poderia ter vencido e disputado o título.

Do outro lado Muslim Salikov fazia uma luta duríssima contra o Xu jiaheng e indo para final contra Yu jin, sendo nocauteado e o Chinês vencendo o torneio.

Acabei perdendo minha luta final , mas ganhei muito RESPEITO, todos atletas, repórteres, público chinês, elogiando minha participação, sendo reconhecido nas ruas, tenho a sensação de dever cumprido e representado bem meu País.

09. Hoje você é técnico profissional de MMA, e treina atletas chineses, como foi essa transição do Sanda para o MMA, como chegou na China ? Lutar com contra os chineses ajudou nisso ?

Sim, hoje sou um Treinador Profissional de Artes Marciais Mistas reconhecido na China. Isso começou quando eu ainda era um atleta, procurei o Jiu-jítsu brasileiro, para melhorar meus conhecimentos e no futuro ser um profissional de MMA. Foi onde conheci Ramon Lemos meu professor de Jiu-jítsu.

Ramon Lemos é hoje um dos principais professores de jiu-jítsu do mundo e chegou a treinar atletas profissionais como Anderson Silva, Rodrigo Nogueira ( Minotauro), Junior dos Santos e foi Head Coach do primeiro time de lutadores do Sport Club Corinthians.

Eu trabalhei junto com Ramon, como atleta, como treinador. E nesse meio tempo o Anderson Silva precisou de Sparrings, fui fazer um teste e passei, trabalhei com Anderson em 2 lutas Sonnen x Silva 2 e Bonnar x Silva, depois disso fui contratado para lutar e representar o Corinthians MMA.

Com Anderson Silva

Nesse meio aprendi muito sobre MMA profissional, treinei junto com muitos atletas renomados mundialmente, vi métodos de treinamentos dos principais treinadores do Mundo de todas modalidades boxe, muay thai, kickboxing, wrestling, jiu-jítsu, mma, treinadores como:

Boxe – Leonardo Macedo e família, Luiz Dórea, Washington Silva , Edelson Silva

Muay Thai – kickboxing- Moises Gibi , Fernando Maestro , Pedro Rizzo .
Entre outros …

Eu via que o wushu sanda , era uma modalidade desconhecida entre os principais treinadores, e toda a versatilidade que tinha já misturando as técnicas de socos, chutes e quedas, métodos de treinamentos misturados, já estava adiantado no Sanda, isso me ajudou muito e acrescentei muito ao conhecimento de vários lutadores. Fui aos poucos , junto com minha experiência no wushu sanda, o conhecimento adquirido com meus professores, como Nereu Graballos e Nelson Pompei, junto ao conhecimento dos novos professores e treinadores, separando o que achava útil e bom, eficiente, e fui montando o meu próprio sistema, método para treinar os atletas.

O wushu sanda , hoje em dia caiu muito para lado , esportivo , perdeu um pouco a essência que tinha no passado, em confrontos profissionais contra outras modalidades, como Sanda x MuayThai , Sanda x Karate , era como uma disputa de MMA em pé, para decidir qual era a melhor luta de striker e quem se mantinha em pé… perdeu um pouco essa essência ,com a diminuição de eventos desse tipo, foi indo para um caminho mais esportivo e olímpico, isso prejudicou o que era o objetivo, finalizar as lutas.

No meu método de treinamento eu procurei manter essa essência e misturei técnicas em pé, como boxing, kickboxing, Muay Thai e o Wushu Sanda, sempre com mentalidade de usar o que era mais eficiente em luta, pensando como Sun-tzu em a arte da guerra e Bruce Lee “Be water ” adaptar-se a todas situações, conhecendo vários estilos, assim fui adaptando o Sanda para o MMA.

Sobre ir para China e chegar atletas Chineses profissionais ?
o mercado mundial está crescendo, no Brasil não tem muitas oportunidades no Esporte, tenho fé que melhore no futuro.

Apareceu uma oportunidade através de um amigo (que já treinamos juntos) que Chineses estavam abrindo um Time Profissional em Beijing e ele me convidou, eu mandei meu currículo e fui aprovado para ser treinador da parte de Striker e MMA.

Chegando lá tive contato com vários atletas , muitos deles Campeões de Wushu-Sanda e conforme foram me conhecendo e me pesquisando viram quem eu fui no passado. Na China o wushu sanda é ainda a luta mais praticada, é o esporte deles e o Huang Lei é um Super Star, fazia propaganda na Televisão, etc … outra realidade para nós aqui no Brasil.

O fato de eu ter lutado contra um Super star e vencido o número 1, com certeza me ajudou muito no quesito respeito, confiança.

Quando Miao Li Tao oriundo do wushu sanda, treinado no templo Shaolin, ganhou do Tailandês campeão mundial varias vezes de muaythai na Tailândia e ex campeão mundial Onefc, teve uma repercussão em toda China, quando souberam que tinha um treinador brasileiro que tinha uma história forte nas Artes Marciais Chinesas como Sanda, o técnico da seleção Chinesa de Sanda, Coach Zhang Ganxue quis me conhecer pessoalmente, conversou comigo elogiou meu trabalho, ele é a autoridade máxima das lutas na China, uma referência , treinou seleções, exército, etc… muito respeitado, Huang Lei foi junto me visitar e fez um post em sua página particular falando de mim para toda China. Acredito que nenhuma pessoa do Brasil teve essa oportunidade, sou muito agradecido.

10. Existiu alguma barreira linguística ?

Eu sempre pensei , sobre Artes Marciais como uma linguagem única, universal , quando você entende sobre luta, um soco é um soco, um chute é um chute , uma queda é uma queda em qualquer parte do Mundo. É lógico que existe uma distância imensa de línguas do Português para o Chinês, ou inglês para Chinês. Muito difícil a comunicação, tive muita dificuldade, em reuniões, como expor minhas ideias, explicar minhas teorias, táticas, estratégias de trabalho…muito difícil. Quando cheguei na China, usava muita mímica, corrigia, demonstrando.

Meu inglês é básico, aprendi os primeiros comandos de luta, golpes, etc… tudo em inglês … mas os chineses não entendiam… Comecei então a fazer um vocabulário, eu mesmo, tinha uma caderneta de anotações, primeiro desenhei um homem e escrevi “HOMEM CHINÊS ” marquei o nome de cada parte do corpo humano em chinês, anotava todos os comandos de como eu falava em português dando uma aula e traduzia para o chinês (e estudava todos os dias) e o alunos começaram a responder, entender, e quando errava na pronúncia ou precisava enriquecer meu vocabulário, conversava com eles e me ensinavam.

O vocabulário para lutas na China é diferente do que achamos no Brasil, ou achamos no Google translate, existe uma linguagem própria, de bastidores, de como falar com atleta e só estando lá para dominar.

Já com 6 semanas na China me chamaram pra ajudar Song Kenan no UFC Singapura, eu me lembro que falava pouquíssimas palavras, tipo: levanta a guarda, abaixa o queixo, alguns nomes de golpes, ataca , defende , mas ele entendia… mais ou menos… (risos) … Depois de mais de 1 ano e meio, treinando todos os dias, orientando, minha caderneta de estudos, meu vocabulário, melhorou muito( era quase um livreto).

Fui viajar como Corner sozinho em Manila nas Philipinas com Miao Litao , e vi o quanto tinha melhorado minha comunicação, Eu era capaz de dar uma aula inteira só falando chinês, orientar, corrigir, chamar a atenção, tudo com comando de voz ( como dou aula no Brasil) e todo dialeto de corner ,conseguindo me comunicar e orientar , mesmo precisando de um raciocínio rápido, tava acostumado com as palavras todos os dias …

Lógico que certos detalhes sobre estratégias, táticas é muito difícil falar, mas eu já conseguia fazer com que me entendessem … isso é o mais importante, me comunicava.

11. Como estão evoluindo os atletas chineses no MMA ? O que você projeta para seu futuro profissional e da modalidade ?

A China ficou fechada durante muito tempo para outras modalidades de lutas, pouco antes das Olimpíadas em 2008 a China começou a investir em outros Esportes de luta e artes marciais, antes disso era somente o Wushu-taolu e Sanda, shuai jiao (como artes marciais principais) e os eventos profissionais eram somente de wushu sanda. Após isso, começou a entrar outras lutas como: boxe, judô , taekwondo, kickboxing, jiu-jítsu e com a globalização, teve a necessidade de promover eventos de Lutas profissionais de boxe, kickboxing, mma, para se dar continuidade a carreira de atletas.

O formato de base da China é muito forte , existe centros de treinamentos de wushu-sanda e taolu, e esportes olímpicos desde criança até adulto , em conjunto com escolas e universidades, por isso o treinamento relacionado a times é muito forte e avançado, mas em relação profissional, necessita de uma certa individualização é algo relativamente novo, cerca de 10 anos atrás, tem muito o que crescer e desenvolver.

Com o crescimento de jiu-jítsu brasileiro na China , os chineses tendo acesso a vídeos , vem a curiosidade sobre o MMA, sobre qual arte marcial é melhor, coisa que aconteceu no Brasil a mais de 50 anos atrás .
Nesse quesito sobre esportes profissionais de luta, individualização, o Brasil está muito na frente, até porque o Brasil foi o País que criou o MMA e a variedade de modalidades de lutas e artes marciais aqui é imensa. Lutas profissionais, desafios tem mais de 100 anos, acredito que esse é um dos motivos de brasileiros serem tão bons , além da genética natural do brasileiro para lutar.

O Chineses querem muito aprender, são dedicados, nacionalistas e são apaixonados por artes marciais, eles querem mostrar sua supremacia no Mundo das Artes Marciais. Gracas aos brasileiros e outros treinadores que estão indo para China ensinar, e o esporte começando a crescer mais na Ásia, com novos centros de treinamentos profissionais, acredito que em pouco tempo teremos vários destaques no MMA no cenário mundial.

obre meu futuro profissional , eu penso em seguir esse caminho dos Esportes de combate, lidando tanto com base na formação de novos atletas e também trabalhando com profissionais. Tenho muito o que aprender e desenvolver ainda… Mas, tenho a intenção de passar esse conhecimento e experiência que adquiri durantes os anos, poucas pessoas têm acesso a isso!

Quando transmito o conhecimento a outros professores e atletas o esporte evolui e cresce mais. Quero estruturar minha escola e meu time, expandindo, criando uma rede com qualidade de ensino, podendo orientar professores, deixando meu conhecimento acessível a muitas pessoas.

Hoje tenho experiência de trabalhar com diferentes atletas e de países diferentes como china, russia, brasil , mongolia, kazaquistão, etc…
Pretendo trabalhar tanto no MMA como os esportes que constroem o Esporte profissional, e sempre olho com carinho o Esporte onde nasci e cresci como o Wushu-sanda. Gostaria de ter mais acesso com a nossa seleção brasileira e os atletas de sanda para colocar nosso esporte na mídia e torna-lo mais forte e reconhecido mundialmente nos meio das lutas.

Com o GM Li Baoru

Acredito que o MMA , foi algo muito positivo no mundo das lutas e artes marciais, desmistificou muita coisa e deu um outra patamar para as pessoas que trabalham com Esportes de combate (todas modalidades), de uma forma geral, todos hoje, tem um leque de oportunidades de trabalho, coisas que a 10, 15 anos atrás era muito difícil você viver como um profissional de luta, seja como atleta ou treinador, hoje com o crescimento das lutas profissionais, tornou-se isso possível, no passado vi tantas pessoas de muita qualidade abandonando o esporte por falta de condições, muito triste isso!

Gostaria de ver cada vez mais pessoas podendo viver financeiramente do Esporte fazendo o que amam. O MMA já é uma realidade mundial, e só tende a crescer e crescer… em em todos os continentes.

12. Pode nos falar um pouco mais sobre Miao Li Tao ?

Miao Litao ,é um atleta que iniciou seus treinos no Templo Shaolin, ainda quando criança, treinou Shaolin e depois Sanda. Foi campeão de Sanda em sua província , se mudou para Beijing buscando melhores oportunidades, onde iniciou os treinamentos profissionais para MMA. É um atleta muito dedicado, focado e disciplinado. Escuta todas instruções , sempre procurando se aperfeiçoar … é uma satisfação poder trabalhar com ele.

Na China temos vários talentos, vários atletas que são profissionais de mma , já treinaram Sanda, ou tiveram uma história, como Song Kenan, Miao Litao, a Campeã Mundial do UFC Zhang Weilin , entre outros …mas alto nível de Sanda na China , como atletas da seleção Nacional Chinesa, eles tem outras oportunidades, como carreira universitária ou exército, polícia de Elite , então não migram para o MMA. Acredito que agora com UFC e o MMA crescendo na China o investimento em novos atletas está sendo maior e mais pessoas migrando para o profissional , e em alguns anos teremos vários destaques mundiais. Zhang Weilin Campeã Mundial do UFC é o maior destaque na atualidade do MMA Chinês. Eu a conheci nos bastidores a uns 2 anos atrás , e fiz uma boa amizade com um de seus treinadores principais , um brasileiro “Pedro Jordão” que cuida da parte de jiu-jítsu de Zhang Weilin desde a faixa branca . Na ocasião vi ela treinando na semana que antecede o UFC , onde os atletas ficam concentrados no hotel e treinam , cortam peso , etc … Vi o entrosamento entre a atleta e treinadores, o nível dela, a organização do treino com sparrings as pessoas em volta ,a dedicação e o foco dela. Eu comentei na hora com Pedro Jordão , essa menina vai ser o primeiro Chinês a disputar um título Mundial no UFC , depois de algumas lutas isso estaria acontecendo e ela sendo Campeã. Ela é uma menina apaixonada pelas artes marciais chinesas, e defende a bandeira, acredito que somente as tops podem dar trabalho, e sempre será fará lutas boas , porquê ela está sempre se aperfeiçoando dia após dia. Além dos Chineses, temos atletas russos do wushu Sanda, migrando em peso para o MMA profissional, se vierem do Dagestão -Rússia , podem observar , pois tiveram alguma passagem em Competições de Wushu Sanda.

13. Zabit Magomesharipov, Muslim Salikhov, e Zhang Weilin, estão se destacando dentro do UFC, pode nos falar sobre eles ?

Eu conheço o Zabit desde o Mundial Junior, é um lutador muito técnico, e talentoso, assim como vários atletas russos.
Ele foi inteligente, foi Campeão mundial Junior e Campeão Mundial adulto , e já migrou pro mma profissional, se especializando… acredito que com as pessoas com quem ele está envolvido como treinadores, além do pessoal do Sanda, é uma mistura brilhante, ele é um lutador muito ousado, e busca luta, tem mentalidade de sempre estar se aperfeiçoando, ingredientes para ser Campeão.


O Muslim Salikov, é um lutador muito experiente em pé, acho que demorou um pouco para migrar para o MMA , mas é um lutador muito perigoso, e difícil para qualquer um, ele precisa continuar treinando forte, jiu-jítsu , wrestling e mma , se especializando, esse é um processo.

Ele é um competidor nato, e acredito que vai se dedicar muito e vai ter sucesso no esporte, em uma categoria difícil, onde quem manda são wrestlers, e ele concerteza sabe disso, torço por ele !

Os russos tem uma genética física muito parecida com os brasileiros, e o espírito para lutar, a raça, alguns costumes.
Outra vez…conversado com Muslim ele me disse, que a maioria dos lutadores são de uma região na Rússia Daguestão e tem muitos lutadores lá, são amigos e treinam juntos, existe projetos de base para crianças, que levam até adultos.


Acredito que além da técnica e experiência de treinadores bons, as pessoas treinando junto, a amizade, um ajudando o outro, a competição sadia, o espírito de luta que é cultivado desde criança, os grandes lutadores do passado passando o conhecimento para a nova geração, são ingredientes para o sucesso.

Zhang Weilin Campeã Mundial do UFC é o maior destaque na atualidade do MMA Chinês. Eu a conheci nos bastidores a uns 2 anos atrás, e fiz uma boa amizade com um de seus treinadores principais, um brasileiro “Pedro Jordão” que cuida da parte de jiu-jítsu de Zhang Weilin desde a faixa branca.

Na ocasião vi ela treinando na semana que antecede o UFC , onde os atletas ficam concentrados no hotel e treinam, cortam peso, etc … Vi o entrosamento entre a atleta e treinadores, o nível dela, a organização do treino com sparrings as pessoas em volta ,a dedicação e o foco dela.

Eu comentei na hora com Pedro Jordão, essa menina vai ser o primeiro Chinês a disputar um título Mundial no UFC, depois de algumas lutas isso estaria acontecendo e ela sendo Campeã.

Ela é uma menina apaixonada pelas artes marciais chinesas, e defende a bandeira, acredito que somente as tops podem dar trabalho, e sempre será fará lutas boas, porquê ela está sempre se aperfeiçoando dia após dia. Além dos Chineses, temos atletas russos do Wushu Sanda, migrando em peso para o MMA profissional, se vierem do Dagestão -Rússia, podem observar, pois tiveram alguma passagem em Competições de Wushu Sanda.

14. Gostaria de deixar uma mensagem ou conselho para a futura geração ?

Gostaria primeiramente, agradecer a oportunidade dessa entrevista e mostrar um pouco do meu trabalho, são iniciativas como essa que fazem nosso Esporte ser divulgado. Agradecer a todos meus professores, com quem tive a oportunidade de aprender, a todos meus alunos, atletas ,onde tive a oportunidade de ensinar, pois ensinando também aprendo.

Quando entrei no MMA, foi por uma questão de necessidade, meu esporte “wushu sanda” não tinha mídia, reconhecimento, não me dava o sustento do meu alimento, mesmo eu sendo o melhor atleta das Americas na minha categoria, e uns dos melhores do mundo, tinha dificuldade para ter trabalho, ser bem remunerado, viver bem do esporte e não sobreviver, pensei… preciso que meu esporte seja reconhecido no meio profissional, na mídia, assim eu e outras pessoas, vão poder viver bem trabalhando com Esporte, no que gostam . ( Isso é um desejo).

Meu recado pra nova geração ? ” Não importa de onde você vem e sim onde quer chegar “, estude, busque conhecimento, crie metas e as cumpra , sem passar por cima de ninguém, não seja trapaceiro, jogue limpo!

Como Nereu Graballos dizia: “Perca em pé mas não ganhe ajoelhado!

Essa frase quer dizer que se você ganhar, que seja limpo, se perder, que perca de cabeça erguida e dando seu melhor, fazendo uma luta dura, ganha-se respeito! ganhar de joelhos é ganhar com trapaça, a vitória a qualquer custo, isso não é vitória. A principal vitória é o respeito e o aprendizado que você adquiriu, o dinheiro o troféus os cinturões, são apenas prêmios e símbolos da história da jornada que você passou para chegar, conte sua história de maneira honrada e limpa.

Valorize cada professor que você teve , desde a base até ser um profissional, seja grato! Nesse meio o conhecimento adquirido de lutas veio através de muito suor , dificuldades e sangue, literalmente, isso tem ser muito valorizado. Procure ser um exemplo para os mais novos, crie um espírito de amizades entre seu se amigos de treino, esse é o elo mais forte, um amigo ajudando outro no treino, e quando crescer valorize as pessoas que te ajudaram. Lembre-se sempre, ninguém se faz sozinho! o lutador que sobe no palco, mas existe muitas pessoas nos bastidores que te ajudaram a subir, e o resultado, é o trabalho de todos, como um time. Tenha muito amor, dedicação no que faz , muita fé e Deus coração.

Faça o que você ame dar certo, trabalhe duro para isso.

Empresto algumas palavras de um grande esportista brasileiro : “No que diz respeito ao empenho, ao compromisso, ao esforço, à dedicação, não existe meio termo. Ou você faz uma coisa bem feita ou não faz” “Seja você quem for, seja qual for a posição social que você tenha na vida, a mais alta ou a mais baixa, tenha sempre como meta muita força, muita determinação e sempre faça tudo com muito amor e com muita fé em Deus, que um dia você chega lá. De alguma maneira você chega lá.” Ayrton Senna Abraço a todos meus amigos esportistas e artistas marciais.


Warner Lopes is a Northern Shaolin teacher, south american traditional kungfu champion and member of Brazil National Team. He also studies Xinhui's Choy Lee Fut under Sifu Marcelo Alexandrino